codice testata

terça-feira, 26 de maio de 2015

Fábula de Veneza e suas ilhas

Veneza
Burano é a pérola das ilhas venezianas. Não precisa explicar, quando a balsa estiver se aproximando da ilha vocês entenderão. As cores estão por toda parte. Como uma tela cheia de cores que se transbordam os amarelos e fazem gotejar os verdes até o chão, assim pelos vicolos de Burano o sol dispersa as cores no ar e na água redendo tudo exuberante e palpável. Enquanto se caminha pelas ruas principais, dêem uma espiada nas ruelas, através delas se vê portais seculares de edificios nobres com nomes ilustres e teto baixo. Além dos lençóis deixados nos varais que dançam com o vento, e tais tecidos, que quando passamos perfumam nossas mentes... (more)

Fábula de Veneza e suas ilhas
Sugestão de Musica: Vivaldi - La Follia
  

Não me lembro exatamente quando eu foi a primeira vez que estive em Veneza. Nasci e ainda vivo em uma pequena cidade chamada Treviso (pra quem ainda não conhece, Treviso é grande em histórias e arquitetura, assim como a cidade de Ouro Preto MG, um verdadeiro tesouro com também cerca de 80.000 habitantes, e em apenas meia hora de trem daqui se chega a Veneza.) É sim, pra mim Veneza sempre foi sinonimo de trem e talvez por isso o romantismo já começa na viagem, pelo menos pra mim. Claro que, pra quem usa o trem como meio de transporte para chegar ao trabalho, é um pesadelo! E acredito que ao invés de ser romántico acabarei sendo enforcado!
Mas se você visita Veneza pra descobri-la, com a mente livre e o coração pronto para emoções, então o trem já é um bom inicio, e os eternos atrasos das ferrovias italianas, uma prazerosa distração do conceito de eficiência e modernidade.
Provavelmente, uma das primeiras vezes que fui a “Venessia” (é assim que a chamam os venezianos no dialeto deles), foi quando eu ainda era criança e estudava na escola primária Santa Maria das Graças, a mesma escola que estuda a nossa Malu. Naquela ocasião, não fomos exatamente a Veneza, mas em uma de suas ilhas: A ilha de Murano.

Em Murano, tem uma antiga e preciosissima produção artesanal de vidro, e as escolas primárias das províncias vizinhas incluem sempre no programa, uma viagem a essa ilha para conhecer o trabalho desses Maestros dos vidros, digo Maestros porque o que se lá é arte e Maestria. Arte e maestria! Não tem nada de contemporâneo. O contemporâneo enche a boca pra falar de arte, todos parecem ser artistas hoje em dia. Peço desculpas aos leitores que gostam de arte contemporânea, não é maldade minha, é só minha humilde opinião já que vivo em uma galeria de arte classica a céu aberto. Mas ali em Murano, se descobre como se fazia arte antigamente, quero dizer com criatividade e maestria. Maestria significa suor, significa técnica passada de geração a geração, sacrificios e muita, muita paixão!
Se passando por lá, vocês verem uma multidão de crianças olhando fixamente alguma coisa dentro de um lugar que talvez, a primeira vista possa parecer um barzinho qualquer, aproximem-se e procurem com a ponta dos pés, olhar o que tem ali dentro. Pode ser um artista em seu forno, modelando e assoprando uma massa de silicio, vermelho por fora por causa do esforço e do calor. E voila!

Veneza

Recomendo atenção pra não confundir: Tem a ilha de Murano (que acabamos de ver) e a Ilha de Burano. Mas não tem perigo, ou melhor: Confundam-se! Em Veneza se cai sempre em pé, e perder-se é a coisa mais prazerosa que pode acontecer. Quantos belos restaurantezinhos (e bacari) eu encontrei me perdendo por lá...

Burano é a pérola das ilhas venezianas. Não precisa explicar, quando a balsa estiver se aproximando da ilha vocês entenderão. As cores estão por toda parte. Como uma tela cheia de cores que se transbordam os amarelos e fazem gotejar os verdes até o chão, assim pelos vicolos de Burano o sol dispersa as cores no ar e na água redendo tudo exuberante e palpável. Enquanto se caminha pelas ruas principais, dêem uma espiada nas ruelas, através delas se vê portais seculares de edificios nobres com nomes ilustres e teto baixo. Além dos lençóis deixados nos varais que dançam com o vento, e tais tecidos, que quando passamos perfumam nossas mentes.
Mais do que sugestões, tem uma explicação muito pragmática pra esta singular coloração das casas que introduzem também a um outro argumento que é a importancia da mulher na Ilha de Burano. Na verdade, foi idéia delas colorir as casas. Isso porque seus maridos eram todos percadores e durante o periodo de névoas, muito densas nas zonas de lagoa, era complicado achar a propria casa quando voltavam da pesca. E daí a idéia de personalizar as casas. Quem sabe se esta é mesmo a verdadeira história...Mas mesmo se fosse uma mentira( nesse caso lenda) pelo menos bonito é.
Outras motivações que sustentam a tese de que Burano é a ilha das mulheres é o Merletto, maestria toda feminina (Museo di Merletto).

Veneza

E agora vamos a Veneza. Faço uma lista de coisas que possam ver aqui? Impossivel. Veneza é um museu a céu aberto e pra cada lado que se olha vocês estarão circundados de hist´ria, arte, música e...reliquias. Sim reliquias. Porque essa cidade é gigante do ponto de vista artístico e mantê-la viva não é fácil, reportá-la ao seu esplendor original é impossivel. E das reliquias se nasce um sentimento de melancolia, de saudade e espero que vocês também possam provar. Caminhar por Veneza, me faz ter aquela sensação de quando se chega atrasado em uma festa, que por mais grandiosa que seja, não está mais ao seu ápice. Se vê das fissuras dos palácios, se ouve das palavras dos velhinhos que vivem aqui e nas osterias, enquanto degustam seus spritz brancos, se lamentam em dialeto de como vão as coisas por aqui.
Mas não! Não façam assim! Uma pequena lágrima escorre nos seus rostos? Vocês podem sem dúvida enxugar-las e se vocês quiserem podem ser misteriosos e esconder-las!



O Carnaval de Veneza, é o triunfo do ambíguo, da provocação e da liberdade. E tudo isso acompanhado de um grande estilo e classe! E depois, o fascínio da máscara nunca sai de moda.

Dica de filme: Il Casanova de Federico Fellini
Frase: “Todo homem mente, mas dê a ele uma máscara e te dirá a verdade. (Oscar Wilde)

Ah! Veneza! Quando se volta pra casa a noite, cada um traz com si um pouquinho de muitas histórias, contos e arte que florescem em cada angulo dessa cidade encantada. Da janelinha riscada do trem olhando pra fora. A luz prateada de um céu escuro imerge cada espaço, mas vai embora devagarinho como a maré, deixando espaço pra noite que chega.

Que dia lindo...

Veneza



❤ Dicas Práticas
O itinerário principal e que é também o nosso conselho é: perder-se.
Além disso, existem muitos percursos clássicos que permitem conhecer as principais atrações de Veneza. O coração da cidade é a Praça San Marco. Com uma caminhada de 30 minutos apenas, se chega lá a pé, e não precisa enfiar a cara num mapa pra chegar, basta seguir a rua principal e o mar de pessoas que passam por lá todos os dias, ou pra ser ainda mais preciso, sigam os japoneses com suas câmeras fotográficas profissionais: Eles com certeza estarão indo em direção a praça San Marco! Porém, se vocês não sentirem confiança nessas estratégias impíricas, podem seguir as placas nos muros dos palácios de praticamente todas as ruazinhas de Veneza, que indicam como principais direções a praça San Marco, Ferrovia e Rialto. Mas se vocês estiverem cansados ou não quiserem caminhar, podem pegar a balsa da estação de trem de Veneza que vai diretamente para a Praça San Marco, por 7 euros.
Quando chegarem a San Marco, lembrem-se de que vocês estão no lugar mais exclusivo (e caro) de Veneza. Ali vocês encontrarão os bares estóricos do centro (como o Caffe Florian por exemplo) fascinante e clássico, com garçons vestidos de smoking que trarão o seu Martini em alto estilo, numa bandeja de prata e notas de piano ao fundo. E se vocês são amantes do luxo, ou querem se presentear com um momento especial, podem encontrar no prestigioso Hotel Danieli, exatamente ao lado do Palazzo Ducale, muito agradável para um aperitivo ou para passar uma noite muito especial( perguntem ao Brad Pitt, ele sabe).
A poucos passos do Hotel vocês podem admirar a ponte dos suspiros, outra parte obrigatória aos turistas que passam por lá. Vocês sabem porque a chamam assim? Porque através dessa ponte passavam os condenados `a morte que, olhando pela ultima vez Veneza quando passavam por essa ponte, suspiravam também pela ultima vez.
Não muito longe de San Marco, tem uma outra ponte muito famosa, a ponte Rialto que perdeu um pouco da sua autenticidade por ser tão famosa! Vale a pena visitar porque ali estão os melhores bacari de Veneza!


Link Utili:
* Trenitalia
* Vaporetto

Nenhum comentário:

Postar um comentário